Radical ruptura transgressão - Módulo 1

R$ 480,00

Módulo 1- Ana Matheus Abbade e convidadas.


Objetivo do curso:

O curso tem como intenção a expansão do vocabulário de imagens e ações produzidas entre 1960 e 1980 em paralelo à realizações do nosso tempo. O interessado aprofundará métodos de pesquisa e processos em arte e crítica cultural

Ao fim do curso o grupo terá produzido um conjunto coletivo de caderno de trabalho em diálogo com prospecções de suas vivências.  A exibição do caderno será por formato digital em interface live streaming.

 

Público:

Indicado para pessoas interessadas em pesquisar, desenvolver e/ou conhecer práticas e teorias do campo da arte.

 

Carga horária: 12 horas

 

Datas e horários:

Em Breve

vagas limitadas
 

Descrição do curso:

Nesta abordagem vamos elaborar sentidos e relacionamentos fazendo uso de imagens e textos de diferentes tempos, dentro e fora do campo da arte a partir da chave triangular ‘radical, ruptura e transgressão’. Reivindicando a atualidade, o programa de encontros compreende na exposição de imagens, textos e também a proposição de exercícios práticos remotos privilegiando o diálogo das pesquisas individuais e os elementos apresentados.

A metodologia se divide em três módulos independentes, que em conjunto apreciam uma relação de unidade. ‘Radical - o tempo e o vital’, ‘Ruptura - a mundanidade e o tempo’, ‘Transgressão - o vital e a mundanidade’ reúnem, em abordagem transtemporal, tópicos da teoria da arte, o conceitualismo no contexto sul global, o visionário diante a imaginação das possibilidades e impossibilidade do real e a invenção da linguagem, o impulso neuronal entre as coisas do mundo.

Em caráter teórico-prático, o programa de encontros recebe a participação de conferencistas convidadas. ‘Aula livre’ e ‘Entrevista aberta’ são três eventos remotos gratuito ao público geral com videoperformance de Agrippina R. Manhattan, Yná Kabe Rodríguez, Flora Leite e entrevistado.

O programa se direciona aos públicos interessados em pesquisa e processos na arte, teoria e cultura visual sem pré-conhecimentos requeridos. Aquém da centralidade normativa - desde a literatura, a filosofia, artes visuais e música, serão ressaltadas as nuances entre coisas, próteses, objetos e nós: a necessidade do nome, urgências entre curas, o labirinto do íntimo secreto, o começo e fim do tempo.

 

Aulas:

 

1- Apresentação: primeiros contatos

 

2- Radical Ruptura Transgressão

    Supressão do objeto e  Práticas flutuantes:

    Diário dos sonhos e vocabulário.

 

3- Radical: o tempo

    Vanguarda e visionário, parresia e profecia.

    Conceitualismo e o Acionismo.

    Supra (e) Sub.

    Tehching Hsieh - Linda Montano, Hélio Oiticica. 

    Yeguas del Apocalipsis - Hija de Perra -  Pedro Lemebel. 

 

4- Transgressão: o vital

    Palavra e mistério.

    Feitiço e o avesso.

    Materialização e desbinarização.

    Oráculo.

    O alto e a queda.  Mariah Ferreira da Silva.  Anderson Herzer. Regina Vater. Jota Mombaça.

    Práticas flutuantes:

    Desenho Modelo ao vivo; (Natureza-morta em exercícios de 15, 10 e 5 minutos com intervalos.

    Objetos encontrados sob a seguinte proposta: Qual objeto neutro?)

5- Radical Ruptura Transgressão

    Práticas flutuantes:

    Diário dos sonhos e vocabulário

 

6- Radical: o vital

     Prospectar a semelhança.

     Suavidades.

     Vivemos de sentidos.

     A diferenciação.

 

 Aula aberta noturna 1

 

 Asas do labirinto, com Agrippina R. Manhattan.

 

Aula aberta noturna 2

 

Asas do labirinto, com Agrippina R. Manhattan.

  

Sobre a autora:

 

Ana Matheus Abbade (RJ, 1996) é artista e escritora. Posiciona sua prática nas dinâmicas entre elementos polares, interseccionando estados de presença que escapolem de contornos binários. Frequentou em 2015 e 2017 a Escola de Artes Visuais do Parque Lage no Rio de Janeiro. Participou das residências Pivô Arte e Pesquisa - I Ciclo Remoto (São Paulo, 2020), Temos Vagas – Ateliê 397 (São Paulo, 2019), Residência Fundação Armando Álvares Penteado (São Paulo, 2018), Jardim Suspenso da Babilônia (Rio de Janeiro, 2016) e Saracura (Rio de Janeiro, 2016). Recebeu Menção Honrosa no III Prêmio Reynaldo Roels Jr. Participou de exposições coletivas nacionais como Começo de Século, curadoria de Germano Dushá (Galeria Jaqueline Martins, 2019) e internacionais como Corpo Aberto – Um arquivo de sentimentos, curadoria de Léa Meier e Valentina D’Avenia (Emergency, Vevey, 2019). Ana tem textos publicados no jornal independente O Turvo (oturvo.co/), no site-plataforma FORA (ofora.org/) e na publicação Contra Feitiço (Livros Fantasma, 2019).

 

Sobre a convidada:

Agrippina R. Manhattan (1997) é artista, professora , travesti e tantas outras coisas porque quis. Nasceu e foi criada em São Gonçalo, vive o deslocamento entre Rio de Janeiro - Niterói - São Gonçalo como ponto de partida epistemológico como boa parte da minha vida. Sente e encara seu trabalho como parte de uma profunda preocupação sobre tudo aquilo que restringe a liberdade. A palavra, a norma, a hierarquia, o pensamento, ela mesma.

  

Este curso é online, portanto é necessário ter acesso à internet.
As aulas irão acontecer ao vivo pela plataforma zoom.